unesco

Um território de património(s)

A inscriçãoda UNESCO

um processo histórico

1999 - 2019: 20 ANOS DE INSCRIÇÃO NA LISTA DO PATRIMÓNIO MUNDIAL

É uma aventura humana excecional, com 800 anos, que se destaca pela inscrição da cidade medieval de Saint-Émilion e das sete aldeias que a rodeiam.







Sem a destruir, as comunidades humanas aproveitaram as características do território para desenvolver as suas actividades e o seu modo de vida.

O cultivo da terra, a exploração de pedreiras, o povoamento e o desenvolvimento urbano, a construção de edifícios religiosos e de casas de habitação: tudo isto criou uma paisagem em perfeita harmonia com a topografia e os recursos do território.

Eis algumas das datas mais importantes:

  • 35.000 - 10.000 A.C.
    Primeiros vestígios da implantação do Homem na região de Saint-Émilion
  • Século III
    Plantação da vinha "Biturica" nos arredores
  • Século VIII - XII
    Instalação do monge Emilion e construção de igrejas e claustros no território
  • 1199
    Fundação da Jurade et de la Jurisdiction de Saint-Émilion1289
    Delimitação dos limites actuais da Jurisdição
  • 1884
    Criação da primeira união vinícola
  • 1867 & 1889
    Obtenção da medalha de ouro da Exposição Universal e do Grande Prémio Coletivo da Exposição Universal para os vinhos de Saint-Émilion







  • 1931
    Criação da primeira adega cooperativa da Gironda
  • 1948
    Refundação da Jurade pelos viticultores
  • 1954
    Primeira classificação dos vinhos de Saint-Émilion pelo "Institut National des Appellations d'Origine"
  • 1993
    Início dos trabalhos para a inscrição da Jurisdição de Saint-Émilion na Lista do Património Mundial da UNESCO
  • junho de 1998
    Entrega do dossier de candidatura da Jurisdição de Saint-Émilion
  • 2 de dezembro de 1999
    Inscrição da Jurisdição de Saint-Émilion naLista do Património Mundial da UNESCO

O primeiro vinhedo classificado pela UNESCO

dezembro de 1999

continua a ser uma data histórica para Saint-Émilion!

Foi nesta data que a vinha e as 8 aldeias da jurisdição de Saint-Émilion foram classificadas como Património Mundial da UNESCO pela sua "paisagem cultural". Uma estreia mundial!

A propósito, o que significa exatamente ser Património Mundial da UNESCO?

Segundo a UNESCO, Saint-Émilion é "um exemplo excecional de paisagem histórica vitícola que sobreviveu intacta". Esta "paisagem cultural" de exceção é objeto de uma vigilância especial para que possa ser preservada e continuar.

É por isso que, desde 1993, uma Comissão (composta por membros do INAO, representantes do conselho municipal das comunas em causa, representantes da Câmara da Agricultura e dos Viticultores) está encarregada de validar a ocupação vegetal de uma parcela ou a modificação da estrutura de um solo.

Esta inscrição representa cerca de 5000 hectares de vinha repartidos pelas oito aldeias da jurisdição de Saint-Émilion: Saint-Émilion, Saint-Laurent des Combes, Saint-Christophe des Bardes, Saint-Pey-d'Armens, Saint-Etienne de Lisse , Saint Sulpice de Faleyrens, Saint-Hippolyte e Vignonet.

A inscrição na lista do Património Mundial da UNESCO continua a ser o orgulho dos viticultores que moldaram e preservaram o terroir. Hoje em dia, são os viticultores que permitem a milhões de visitantes descobrir esta riqueza cultural; assim como o Grande Gabinete de Turismo da Região de Saint-Émilion, o Conselho Vitivinícola de Saint-Émilion e a Associação Jurisdição de Saint-Émilion, Património Mundial.

Com efeito, não se trata apenas de um património natural notável, mas também de um património histórico e arquitetónico considerável com a cidade medieval de Saint-Émilion, a sua igreja monolítica, as suas pedreiras subterrâneas, as suas ruas empedradas e os seus numerosos monumentos religiosos. Além disso, a jurisdição de Saint-Émilion está repleta de igrejas românicas, moinhos e pombais que contribuem para a atração incontestável deste território.


É bom saber:

Desde julho de 2015, dois outros vinhedos franceses foram classificados pela UNESCO :

  • As encostas, as casas e as caves de Champagne
  • Os "climas" da Borgonha


Um pouco mais:

A Jurisdição de Saint-Emilion não é o único Património Mundial da UNESCO na Nova Aquitânia. Encontre aqui todos estes sítios maravilhosos e aproveite a sua visita à Gironda para os descobrir!

A associação "Juridiction de Saint-Emilion, Patrimoine Mondial de l'Humanité"

Em 1999, a Juridiction de Saint-Emilion tornou-se o primeiro vinhedo a ser classificado como Património Mundial da UNESCO pelas suas paisagens culturais. A associação Juridiction de Saint-Emilion, Patrimoine Mondial de l'Humanité é o garante perante o Estado do bem inscrito, encarregado da sua gestão, valorização e preservação.

É co-presidido pelo Presidente da Câmara Municipal de Saint-Emilion e Presidente da Communauté de Communes du Grand Saint-Emilionnais e pelo Presidente do Conseil des Vins de Saint-Emilion.

O seu conselho de administração é composto pelas oito comunas da jurisdição (Saint-Emilion, Saint-Laurent des Combes, Saint-Christophe des Bardes, Saint Pey-d'Armens, Saint-Etienne de Lisse, Saint Sulpice de Faleyrens, Saint-Hippolyte e Vignonet), pela Communauté de Communes du Grand Saint-Emilionnais e pelo Conseil des Vins de Saint-Emilion.

Visuel

Uma "paisagem cultural" excecional
"paisagem cultural" excecional

Em 1972, a Convenção do Património Mundial tornou-se o primeiro instrumento jurídico internacional a reconhecer e proteger as paisagens culturais.



As paisagens culturais representam as "obras combinadas do Homem e da Natureza" referidas no artigo 1º da Convenção.

Ilustram a evolução da sociedade e das ocupações humanas ao longo dos tempos, sob a influência dos constrangimentos e/ou das vantagens apresentadas pelo seu ambiente natural e sob a influência de sucessivas forças sociais, económicas e culturais, internas e externas.

As paisagens culturais dividem-se em três grandes categorias (Orientações Técnicas 2008, Anexo 3):

  • A mais facilmente identificável é a paisagem claramente definida, projectada e criada intencionalmente pelo Homem, que inclui paisagens de jardins e parques criados por razões estéticas que estão frequentemente (mas nem sempre) associados a edifícios ou conjuntos religiosos.
  • A segunda categoria é a paisagem essencialmente evolutiva. Resulta de uma exigência de origem social, económica, administrativa e/ou religiosa e atinge a sua forma atual por associação e em resposta ao seu ambiente natural. Estas paisagens reflectem este processo evolutivo na sua forma e composição. Subdividem-se em 2 categorias:
  • Uma paisagem relictual (ou fóssil) é uma paisagem que sofreu um processo evolutivo que parou, subitamente ou ao longo de um período de tempo, num determinado momento do passado. No entanto, as suas características essenciais permanecem fisicamente visíveis.

  • Uma paisagem viva é uma paisagem que mantém um papel social ativo na sociedade contemporânea, intimamente associada ao modo de vida tradicional e na qual o processo evolutivo continua. Simultaneamente, apresenta provas claras da sua evolução ao longo do tempo. É o caso da jurisdição de Saint-Émilion.
  • A última categoria inclui a paisagem cultural associativa.

Na Jurisdição de Saint-Émilion, tudo indica que o Homem e a Natureza avançaram juntos, desenvolvendo a cultura da vinha que surgiu há mais de 2.000 anos.
Uma paisagem cultural como a da Jurisdição é moldada pela sua história e geografia. Arquitecturas religiosas, arquitecturas vitivinícolas ou pequenos patrimónios arquitectónicos familiares de gerações passadas (casas de vinha, lavadouros, agriões, moinhos, etc.) são expressões de uma sociedade, do seu saber-fazer a manter vivo e a transmitir às gerações futuras.

É importante notar que a Convenção reconhece a interação entre os seres humanos e a natureza e a necessidade fundamental de preservar o equilíbrio entre ambos.

A Dordogne,
uma reserva da biosfera da UNESCO

A 11 de julho de 2012, o Conselho Internacional de Coordenação do programa "O Homem e a Biosfera" da UNESCO integrou a bacia da Dordogne na rede mundial de reservas da Biosfera.


O reconhecimento oferecido por esta rede mundial destaca o território excecional atravessado pela Dordogne, tanto pela sua natureza preservada, como pelo seu património cultural e pela sua arte de viver marcada pela marca do rio.

Cada reserva da biosfera deve cumprir três funções fundamentais, que são simultaneamente complementares e se reforçam mutuamente

  • uma função de conservação, para contribuir para a preservação das paisagens, dos ecossistemas, das espécies e das variações genéticas
  • uma função de desenvolvimento, para promover um desenvolvimento económico e humano sustentável do ponto de vista sociocultural e ecológico
  • uma função logística, para apoiar a investigação, a monitorização, a educação e o intercâmbio de informações sobre questões de conservação e desenvolvimento a nível local, nacional e mundial.

A UNESCO reconhece assim a bacia da Dordogne como um território exemplar de grande interesse à escala mundial. Sugere também uma certa harmonia entre a natureza e os homens que a exploraram, habitaram, moldaram, sonharam... sem a danificar irremediavelmente.

Para qualquer informação complementar, pode contactar a EPIDOR, instituição pública territorial da bacia da Dordogne.

O que é que procura?